Ficar com o essencial

Certa vez, após realizar vários milagres, dentre eles a multiplicação dos pães, que alimentou uma multidão de 4.000 homens com apenas 5 pães e dois peixes, Jesus flagrou os apóstolos discutindo, pois estavam indo para outra cidade e esqueceram de levar pão. Neste momento Jesus diz: “Por que discutis por não terdes pão? Ainda não tendes refletido nem compreendido? Tendes, pois, o coração insensível? Tendo olhos, não vedes? E tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais mais? Ao partir eu os cinco pães entre os cinco mil, quantos cestos recolhestes cheios de pedaços? Responderam-lhe: Doze. E quando eu parti os sete pães entre os quatro mil homens, quantos cestos de pedaços levantastes? Sete, responderam-lhe. Jesus disse-lhes: Como é que ainda não entendeis?” É incrível! Presenciaram tantos milagres e na primeira dificuldade começaram a ter medo.

Não somos assim também? Ao primeiro sinal de dificuldade esquecemos os momentos de paz; diante da falta de algo esquecemos daquilo que temos; momentos de tristeza nos fazem esquecer as alegrias… Da mesma forma nos relacionamentos: Pessoas juram amor, são amigas, partilham vida… De repente algo acontece, uma decepção e acabou-se tudo. É preciso fazer memória dos bons momentos. Ouvir e refletir sobre o que Jesus disse acima: “Ainda não tendes refletido nem compreendido? Tendes, pois, o coração insensível? Tendo olhos, não vedes? E tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais mais?” 

Nossa vida com Deus e nossos relacionamentos não podem ser medidos por um momento de dor, nem por momentos de felicidade, mas por todo um contexto. Contexto esse que me permite fazer memória ao essencial.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *