Nas diferenças, a unidade. Isso é possível!?

Esta oração foi feita por Jesus: “Que todos sejam um, assim como Tu Pai, estás em mim e Eu em Ti”. Este apelo de Jesus não significa que Ele queria todo mundo igualzinho. Até porque, Ele, o Pai e o Espírito Santo, são diferentes mas são únicos. Sim, um único Deus em três pessoas distintas: O Pai é o criador, O Filho (Jesus) é o salvador e o Espírito Santo é o santificador.

Ao desejar e pedir ao Pai “Que todos sejam um”, Jesus fala da divisão que trás a desgraça ao ser humano. Por exemplo: Numa família, o pai, a mãe, o filho deve ser um, porque formam uma família; os ideais devem ser os mesmos. Claro que são diferentes. Cada um sendo o que é, mas preservando o que são: Família. Marido e mulher não se traem, filho não se rebela, pai e mãe compreendendo o momento, as mudanças na idade e no corpo dos filhos, ora tendo paciência, ora sendo firme. No trabalho: Cada um na sua função. Mas sendo um. Sem fofoca, sem inveja, sem querer derrubar o outro.

Aqui podemos ir além. Pensar em tantos setores da vida. Faça sua reflexão pessoal: Como posso contribuir para esse “Que todos sejam um”, tão desejado por Jesus aconteça? O certo é que, só seremos um, quando respeitados em nossas diferenças, respeitarmos as diferenças dos outros.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *