O seu desejo é a tua oração; se o desejo é contínuo, também a oração é contínua. Não foi em vão que o Apóstolo disse: “Orai sem cessar” (1Ts 5,17). Será preciso ter sempre os joelhos em terra, o corpo prostrado, as mãos levantadas, para que ele nos diga: “Orai sem cessar”. Se é isto que chamamos orar, não creio que possamos fazê-lo sem cessar.
Há outra oração interior e contínua: é o desejo. Ainda que faças qualquer outra coisa, se desejas aquele repouso do Sábado eterno, não cessas de orar. Se não queres cessar de orar, não cesses de desejar.
Se teu desejo é contínuo, a tua voz é contínua. Ficarás calado, se deixares de amar. Quais são os que se calaram? Aqueles de quem foi dito: “A maldade se espalhará tanto, que o amor de muitos esfriará” (Mt 24,12).
O arrefecimento da caridade é o silêncio do coração; o fervor da caridade é o clamor do coração. Se tua caridade permanece sempre, clamas sempre; se clamas sempre, desejas sempre; se desejas, tu te recordas do repouso eterno.
“Diante de vós está todo o meu desejo”. Se o desejo está diante de Deus, o gemido não estará? Como poderia ser assim, se o gemido é a expressão do desejo?
Por isso o salmista continua: “Meu gemido não vos é oculto” (Sl 37,10). Não é oculto para Deus, mas o é para a multidão dos homens. Ouve-se, por vezes, um humilde servo de Deus dizer: “Meu gemido não voa, é oculto” e vê-se também esse servo sorrir. Será por que o desejo está morto em seu coração? Se o desejo permanece, também permanece o gemido; este nem sempre chega aos ouvidos dos homens, mas nunca está longe dos ouvidos de Deus.
Santo Agosinho, Bispo e Doutor da Igreja
(Extraído do livro “Alimento sólido” do professor Felipe Aquino)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!