decisão

Tudo aquilo que sair de nós precisa ser filtrado. Porque além de poder prejudicar alguém, o que sai de nós, pode prejudicar de forma muito maior a nós mesmos, deixando manchas que às vezes são incapazes de serem removidas. Externar, por para fora algo que está dentro de nós é uma decisão. Decisão essa, saibamos que tem consequências. Portanto, toda decisão precisa ser filtrada, para que, livre se contaminações oriundas de mágoas, ressentimentos, revoltas, vingança… ela traga paz e sentido novo para a vida.

Santo Inácio de Loiola, fala de consolação (tempo de paz, desejo de Deus e coisas boas e ordenadas em Deus e para Deus) e desolação (tempo de batalha, escuridão e desejos e impulsos desordenados) e nos deixou um filtro muito importante. Diz o santo, que “no tempo da desolação não se deve mudar nada, mas perseverar firme e constante nos propósitos feitos no tempo da consolação; porque do mesmo modo que na consolação nos aconselha e guia o bom espírito, assim o mau nos causa, na desolação, sugestões, a que não podemos dar assentimento”.

Portanto, antes de decidir, cuidado, pois o próprio Jesus no evangelho de São Marcos, capítulo 7, versículo 20 nos alerta que “o que sai do homem, isso é que mancha o homem”. Toda decisão deve ser tomada após a tempestade, regada de oração e acompanhada por pessoas livres de paixões ou interesses e quando tudo estiver calmo e você for capaz de separar o problema, da pessoa que o causou. Decidido assim, nada o manchará. E você não terá do que se envergonhar. 

 

Edson Oliveira