Se não queres deixar de orar, não cesses de desejar.

oração

Orar é algo muito amplo. E seu ensinamento requer um imenso cuidado, principalmente porque há quem goste de rezar em silêncio, de voz alta, sentado, ajoelhado, em pé, de braços erguidos, se movimentando, imóvel, cantando… Enfim: rezar é algo muito pessoal e particular.

Mas existe algo que deve ser comum a qualquer pessoa no que se refere à oração, que nos foi orientado pelo próprio Jesus, no evangelho de São Mateus, capítulo 6, versículo 7: “Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras como fazem os pagãos, que julgam que serão ouvidos à força de palavras”. Essa orientação foi passada, porque os fariseus rezavam simplesmente para mostrarem que rezavam e eram tão prepotentes e ávidos em manipular as pessoas que achavam que rezando alto e repetindo com “fervor” a oração, Deus se dobraria a tal capricho.

A oração para ser ouvida por Deus e “poderosa” como tantos pretendem que seja, precisa ser desejada. Deve brotar de um coração que antes de tudo anseia por Deus, como explica Santo Agostinho: “O seu desejo é a sua oração; se o desejo é contínuo, também a oração é contínua. Não foi em vão que o Apóstolo disse: “Orai sem cessar” (1Ts 5,17). Será preciso ter sempre os joelhos em terra, o corpo prostrado, as mãos levantadas, para que ele nos diga: “Orai sem cessar”? Se é isto que chamamos orar, não creio que possamos fazê-lo sem cessar. Há outra oração interior e contínua: é o desejo. Ainda que faças qualquer outra coisa, se desejas aquele repouso do Sábado eterno, não cessas de orar. Se não queres cessar de orar, não cesses de desejar”.

Edson Oliveira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *