Na Audiência Geral desta quarta-feira, 04/05/2016, na Praça São Pedro, o Papa Francisco fez uma reflexão sobre a parábola da ovelha perdida e destacou que Deus não conhece a atual “cultura do descarte”.

O Pontífice reiterou que devemos refletir sobre essa parábola com mais frequência e fez uma advertência aos cristãos: “não devemos ficar fechados, senão teremos cheiro de mofo. Devemos sair”.

O Papa explicou que Jesus se utiliza da parábola para a compreensão de todos sobre a Sua proximidade dos pecadores, que não deve ser motivo de escândalo, ao contrário, deve provocar em todos uma séria reflexão de como vivemos a nossa fé.

O estilo de Deus

“O ensinamento que Jesus nos quer transmitir é que nenhuma ovelha pode se desgarrar. O Senhor não pode se resignar ao fato que mesmo uma só pessoa possa se perder. O agir de Deus é aquele de quem vai em busca dos filhos perdidos para depois festejar e rejubilar o reencontro junto com todos”.

O Papa afirmou que o critério de Jesus não se mede pelo peso que 99 ovelhas têm na balança contra uma só.

“Estejamos todos conscientes: a misericórdia para com os pecadores é o estilo com o qual Deus age, e à tal misericórdia Ele é absolutamente fiel: nada nem ninguém poderá desviá-Lo da sua vontade de salvação”.

Deus nos aguarda onde Ele está

“Deus não conhece a nossa atual ‘cultura do descarte’, isso não pertence a Ele. Deus não descarta nenhuma pessoa, ama todos, vai em busca de todos, todos, um por um, ele não conhece esta palavra ‘descartar’ as pessoas porque é Todo amor e Todo misericórdia”.

Para encontrar Cristo, Francisco explicou que devemos estar conscientes de que seu rebanho está sempre em caminho: não é proprietário do Senhor, e não pode se iludir em aprisiona-Lo em nossos esquemas e estratégias.

“O pastor será encontrado lá onde está a ovelha perdida. Portanto, o Senhor deve ser buscado lá onde Ele quer nos encontrar, não onde nós pretendemos encontrá-Lo”.

Cristãos com cheiro de mofo

Francisco falou ainda de lugares vazios, de alguém que foi embora e deixou a comunidade cristã. “Às vezes, isso é desencorajante e leva a pensar que seja uma perda inevitável. É então que corremos o perigo de nos fecharmos dentro do redil, onde não haverá cheiro de ovelhas, mas de mofo. Nós cristãos não devemos estar fechados senão teremos cheiro de mofo. Devemos sair”, exortou o Papa.

“Isto devemos entender bem, para Deus ninguém está definitivamente perdido. Nunca, até o último momento, Deus nos procura. Pensem no bom ladrão”.

Fonte: Portal cancaonova.com