Hoje na Missa, a primeira leitura tirado do profeta Isaías, capítulo 9, nos faça do “dia de Madiã”. Especialmente leia o versículo 3:  “Porque o jugo que pesava sobre ele, a coleira de seu ombro e a vara do feitor, vós os quebrastes, como no dia de Madiã”. O dia de Madiã é o dia do impossível. Deus deu a seu povo por meio de Gedeão uma vitória humanamente impossível. Para explicar de forma objetiva sobre o dia de Madiã, deixo um trecho do livro “SIM SIM, NÃO NÃO! de Padre Jonas Abib. Leia tudo, vai fazer um enorme bem a você. Ao final, peça a Deus que abençoe você com a bênção do dia de Madiã, com a bênção do impossível em todas as áreas da sua vida: espiritual, física, material, financeira, profissional, emocional.

“O que quer dizer a expressão “como no dia de Madiã? O povo de Deus conseguiu uma vitória humanamente impossível sobre o povo de Madiã, os madianitas. Foi um dia inesquecível. Deus fez o que era impossível. Por isso era corrente no meio do povo de Deus a expressão “o dia de Madiã”. O dia do impossível. O dia da vitória de Deus. Principalmente porque Gedeão conquistou essa vitória com apenas trezentos homens, e que não eram os mais preparados. Falar no dia de Madiã, era falar do dia da libertação de Israel. Tudo isso está narrado no livro dos Juízes 6 e 7. Vale a pena ler todo esse texto como está na Bíblia. É emocionante. Aqui faço apenas uma rápida síntese. Todos os anos os madianitas vinham em multidão como nuvens de gafanhoto e invadiam os territórios de Israel. Saqueavam tudo. Levavam embora toda a colheita, o resultado do trabalho de um ano. Imagine: os israelitas trabalhavam, plantavam, colhiam e guardavam tudo em celeiros para começar a consumir. Os madianitas vinham justamente nessa hora e saqueavam tudo. O povo de Israel ficava sem nada. Não só levavam o resultado de suas colheitas, mas também suas mulheres e filhas. E todo ano isso se repetia. O povo já não agüentava mais, já estava suplicando clemência. Deus, então, escolheu Gedeão para libertá-los. Gedeão não esperava por isso. Ele nunca imaginou que Deus pudesse escolher justamente ele. Além disso, sentia-se totalmente despreparado. Quem em Israel seria capaz de vencer os madianitas? Onde conseguir um exército capaz de derrotá-los? “Mas eu, Senhor? Sou muito fraco. Logo eu para comandar o povo de Israel? Como vencer os madianitas que todos os anos nos terrificam, que invadem nossos territórios e acabam com tudo? Não temos defesa contra eles, como podemos vencer? “O anjo do Senhor apareceu-lhe e disse-lhe: O Senhor está contigo, valente guerreiro! Gedeão respondeu: Ah, meu senhor, se o Senhor está conosco, por que nos vieram todos esses males? Onde estão aqueles prodígios que nos contaram nossos pais, dizendo: o Senhor fez-nos verdadeiramente sair de Egito? Agora o Senhor abandonou-nos e entregou-nos nas mãos dos madianitas. Então o Senhor, voltando-se para ele: „Vai, disse, com essa força, que tens e livra Israel dos madianitas. Porventura não sou eu que te envio? (Jz 6, 12-14) Não convencido de que era o Senhor quem lhe falava e que era ele mesmo que Deus estava escolhendo para aquela missão impossível, Gedeão pede uma prova. É lindo ver como Deus aceita e lhe da a prova do jeito que Gedeão propõe. “O Espírito do Senhor apoderou-se de Gedeão, o qual, tocando a trombeta, convocou os filhos de Abieser para que o seguissem” (Jz 6, 34) Gedeão saiu, então, por todos os lados, convidando todos os homens de guerra, para que se colocassem ao lado dele para combater os madianitas. Ele reuniu trinta e dois mil homens. Para Gedeão, todos esses homens eram ainda muito poucos. Diante dos madianitas eram quase nada. “O Senhor disse a Gedeão: „A gente que levas contigo é numerosa demais para que eu entregue Madiã em suas mãos. Israel poderia gloriar-se à minha custa dizendo: foi minha mão que me livrou..Manda, pois, publicar este aviso para que todos o ouçam: Quem for medroso ou tímido, volte para trás e deixe a montanha de Gelboé‟ Vinte e dois mil homens voltaram, ficando ainda dez mil. O Senhor disse a Gedeão: „Ainda há gente demais. Faze-os descer às águas, e ali farei uma escolha. Aquele que eu te disser que irá contigo, este te seguirá; e aquele que eu não te designar, ficará‟. Gedeão fez, pois, descer o povo junto às águas e o Senhor disse-lhe: „Porás à parte todos aqueles que lamberem a água com a língua, como faz o cão, e de outro lado aqueles que se puserem de joelhos para beber‟. O Senhor disse a Gedeão: „Com os trezentos homens que lamberam a água, vos salvarei, e entregarei Madiã nas tuas mãos. Todo o resto do povo volte para a sua casa‟. Durante a noite seguinte, o Senhor disse a Gedeão: „Levanta-te e ataca o acampamento, porque EU O ENTREGUEI EM TUAS MÃOS.” (Jz 7, 2-9) Deus deu a vitória a ele com apenas trezentos homens. Todos os que tiveram medo, que foram fracos, que escolheram o mais fácil, foram dispensados por Deus. Restaram apenas trezentos homens: “um pequeno resto”. Aqueles que se mostraram firmes”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!