Falar de suicídio, muitas vezes, é um tabu. Quais são, no entanto, os fatores e sentimentos que podem levar uma pessoa a cometer esse atentado contra a própria vida? O comportamento suicida surge em decorrência de doenças mentais e psicológicas, por isso é preciso identificar essas mudanças comportamentais desde o início. A família, os amigos ou pessoas próximas podem ajudar nesse processo de diagnóstico.

Segundo o doutor Rodrigo Assumção, psiquiatra, psicanalista, pós-graduado em Hebiatria e formado em Ciências da Religião, a depressão é o maior fator de risco para o suicídio. É preciso combater os fatores que desencadeiam a depressão com a ajuda de profissionais da saúde, além da espiritualidade, que auxilia no tratamento.

Sintomas e tratamentos quando o assunto é suicídio

cancaonova.com: Quais são as principais causas que levam alguém a cometer suicídio?

Dr. Rodrigo Assumção: Hoje, as principais causas de suicídio estão ligadas ao transtorno de humor, que é a depressão, esquizofrenia e bipolaridade, também o uso desenfreado de drogas. Estas têm o poder de mexer com o humor e a personalidade das pessoas, levando-as a um quadro de depressão e remorso.

Hoje, sabe-se, perfeitamente, que existe um gene do suicídio. Durante o Congresso Latino-americano no Chile, foi descoberto esse gene, e afirma-se existir um fator genético envolvido nisso.

O maior fator de suicídio é a depressão, por isso é preciso curar esse mal para diminuir seus indícios. Devemos tratar a depressão para diminuir o quadro suicida, pois temos de ir à raiz do problema e prevenir a doença, para que ela não aconteça, pois, se não tratada, a depressão pode desencadear comportamentos suicidas.

cancaonova.com: O suicídio tem crescido nas mais diferentes faixas etárias, mas o que chama à atenção é o grande número de jovens que cometem esse ato. Por que esse número tem crescido tanto?

Dr. Rodrigo Assumção: Na verdade, esse aumento aconteceu entre adolescentes, pois o maior número de mortes, hoje, entre eles, é o suicídio. Segundo a Organização Mundial de Saúde, os adolescentes, entre 12 e 19 anos, cometem suicídio.

O que leva essa geração a tal atitude? Acredito que ela está muito longe de Deus e muito ligada à tecnologia e ao capitalismo. As pessoas estão esquecendo a essência, que é Deus; estão deixando-O em segundo plano. Deus, no entanto, é um fator de proteção, a fé é um fator de proteção para o ser humano.

O grande problema do suicídio é a depressão que pensamos que não acomete os adolescentes, mas acomete; é um dos fatores que podem influenciar são os conflitos familiares. O problema é o que estamos fazendo com as angústias que afetam essa geração, pois esta é totalmente focada na tecnologia.

Fui a um Congresso de Neurologia Pediátrica, em que diziam que cinco horas de internet equivalem a 45 minutos usando uma droga. Aqui, não estamos falando de uma geração que trabalha com computação, mas sim que passa muito tempo se isolando. Um exemplo são os jovens que têm cinco mil amigos no Facebook, mas não têm um amigo para sair no fim de semana.

cancaonova.com: Qual é o perfil do suicida? Como salvar alguém que deseja cometer suicídio?

Dr. Rodrigo Assumção: O comportamento da pessoa precisa ser observado, além de outras mudanças como a verbalização, a maneira de se vestir e a repentina alteração de humor, pois o possível suicida pode estar querendo afastar as pessoas para cometer tal ato. As pessoas que dão esses sinais, provavelmente, suicidam-se, pois, na maior parte dos casos, é a única solução que encontram para a crise emocional que estão passando.

cancaonova.com: Quais são as probabilidades de um homem ou uma mulher cometer suicídio?

Dr. Rodrigo Assumção: Não existe uma relação entre mais homens ou mulheres a cometer suicídio, pois estão na mesma proporcionalidade. As mulheres podem ter uma tendência um pouco maior devido ao número de tarefas que acumulam ao longo do dia, mas nada expressivo.

A fé ajuda no tratamento?

cancaonova.com: Como a espiritualidade e a terapia podem contribuir nesses casos?

Dr. Rodrigo Assumção: Costumamos indicar a esses pacientes a psicoterapia, tratamentos alternativos, atividade física, medicamentos quando necessários, uma boa alimentação e fé.

Sempre pergunto aos pacientes que vão ao meu consultório como está a fé deles, porque ela é um fator de proteção eficaz. Pesquisas comprovam que as pessoas que possuem fé tem uma melhor resposta aos tratamentos.

De acordo com um artigo publicado no Scielo, maior portal científico do mundo, a fé é um dos fatores que ajudam nos tratamentos médicos. Não sou eu quem está falando isso, mas a ciência está dizendo que Deus é o refúgio presente na vida dessas pessoas.

A fé ajuda muito na recuperação desses pacientes, pois é perceptível e impressionante; sem contar que a diferença é grande. Para termos uma ideia, uma pessoa que tem fé, em uma cirurgia cardíaca, ela se recupera em oito dias; e a que não tem fé se recupera no dobro do tempo. Então, a fé é a ciência podem estar ligadas sim.

Fonte: Portal cancaonova.com