Lidando com as tragédias

“Naquele tempo, vieram algumas pessoas trazendo notícias a Jesus a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado, misturando seu sangue com o dos sacrifícios que ofereciam. Jesus lhes respondeu: ‘Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem sofrido tal coisa? Eu vos digo que não. Mas se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo. E aqueles dezoito que morreram, quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensais que eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? Eu vos digo que não. Mas, se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo’”. Lucas 13, 1-5

Os dois episódios citados acima, que são comentados por Jesus, querem nos por em estado de vigilância. Também como na época de Jesus, tragédias acontecem em nossos dias: Poderíamos lembrar aqui a tragédia de Brumadinho – o rompimento da barragem da empresa VALE, também podemos recordar o crime na escola Raul Brasil em Suzano-SP. Poderíamos citar ainda muitas outras tragédias, somente acontecidas no Brasil, neste ano que ainda está começando. Em todos estes, pessoas morreram, como morreram nas duas tragédias citadas no evangelho de São Lucas destacado acima.

Do mesmo modo que Jesus disse que aquele povo vitimado por aquelas tragédias, não eram mais pecadores que outros que não foram por elas atingidos, podemos dizer o mesmo sobre tantas tragédias como o rompimento da barragem da VALE e o crime na escola em Suzano. As pessoas que naqueles lugares estavam, não eram mais pecadores que eu ou você. Tragédias acontecem, ainda que muitas delas pudessem ser evitadas. Mas as tragédias caminham com a humanidade desde que ela existe. E não sabemos quando elas virão.

Certamente, ninguém quer passar por experiências como as citadas neste texto. Mas diante de uma tragédia, não podemos entrar em desespero, nem culpar a Deus. Também conformar-se não é postura adequada. E nesse momento entra a postura de fé. É por esta postura, que teremos a capacidade de recomeçar, mesmo em meio as tragédias…

Edson Oliveira

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *