Resiliência: a capacidade de resistência diante das pressões e opressões.

“Naqueles dias, surgiu um novo rei no Egito, que não tinha conhecido José, e disse a seu povo: ‘Olhai como o povo dos filhos de Israel é mais numeroso e mais forte do que nós. Vamos agir com prudência em relação a ele, para impedir que continue crescendo e, em caso de guerra, se una aos nossos inimigos, combata contra nós e acabe por sair do país’. Estabeleceram inspetores de obras, para que o oprimissem com trabalhos penosos; e foi assim que ele construiu para o Faraó as cidades-entrepostos de Pitom e Ramsés. Mas, quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia”. Êxodo 1, 8-12.

Esse texto precisa de uma contextualização: José do Egito foi um excelente administrador. Por sua habilidade, não somente os egípicios, mas o mundo inteiro pôde sobreviver em meio à fome que assolou a terra. Após a sua morte e a morte do faraó, outro rei assume o poder; e ao ver que, o povo de Israel se tornou mais numeroso que os egípicios, é tomado de medo de que eles venham a lhes dominar um dia. Sendo assim, “estabeleceram inspetores de obras, para que o oprimissem com trabalhos penosos; e foi assim que ele construiu para o Faraó as cidades-entrepostos de Pitom e Ramsés”. E mesmo em meio a esse sofrimento, o povo de Israel se destaca, pois “quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia”.

Sendo assim, surge uma palavra que se encaixa perfeitamente para o povo de Israel: era um povo resiliente, pois “quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia”.

Resiliência é a qualidade da pessoa resiliente, ou seja: é quando alguém tem a capacidade de ultrapasar limites, tirando de dentro de si força para superar um alto grau de dificuldade, ou ainda, a capacidade de se recobrar facilmente ou de se adaptar à má sorte ou às mudanças. Tristemente, há pessoas que diante das pressões e opressões na vida pessoal, no trabalho e até mesmo na Igreja, desistem de tudo, se revoltam ou mesmo adoecem. É portanto a resiliência, que não nos permite sucumbir e vivermos como derrotados.

Edson Oliveira

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *