Onde Deus está?

Todos nós se não sempre, por vezes queremos “ver Deus” – obter uma resposta – ter um sinal – ao menos um alento, diante de decisões a tomar. Tais momentos são perigosos, pois corremos o risco de confundir Deus com nosso desejo, o desejo de outras pessoas ou mesmo confundir Deus com alguma sedução mundana ou maligna, travestida de “coisa boa”. Observe na leitura a seguir, que o profeta Elias, precisando de uma orientação Divina porque estava sendo perseguido, se dispõe a ouvir a voz de Deus. Veio um vento impetuoso, um terremoto, um fogo vivo:”Naqueles dias, ao chegar a Horeb, o monte de Deus, o profeta Elias entrou numa gruta, onde passou a noite. E eis que a palavra do Senhor lhe foi dirigida nestes termos: ‘Sai e permanece sobre o monte diante do Senhor, porque o Senhor vai passar‘. Antes do Senhor, porém, veio um vento impetuoso e forte, que desfazia as montanhas e quebrava os rochedos. Mas o Senhor não estava no vento. Depois do vento houve um terremoto. Mas o Senhor não estava no terremoto. Passado o terremoto, veio um fogo. Mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo ouviu-se um murmúrio de uma leve brisa. Ouvindo isto, Elias cobriu o rosto com o manto, saiu e pôs-se à entrada da gruta. Ouviu, então, uma voz que dizia: ‘Que fazes aqui, Elias?’” 1 Reis 19, 9-13 Tais figuras, facilmente poderia confundir Elias e também a nós, pois a nossa visão de Deus quase sempre é atraída pelo misterioso, pela mágica, pelo brilho, pelo barulho… E por conta disso, muitos são atraídos por uma fé de gritaria, por portentos, de manifestações extraordinárias, esquecendo da simplicidade de um Deus que se fez gente, viveu como gente, passando por situações difíceis de falta de moradia, traição de amigos…

Deus se manifestou ao profeta Elias como uma leve brisa. Sem agito, sem barulho, quase imperceptível. Gosto de dizer que, a presença de Deus em nossa vida não carece de barulho ou agitação e sim de sensibilidade. Sim, é preciso sensibilidade espiritual. A mesma sensibilidade de sentir uma leve brisa e isto só se consegue convivendo com Ele. É preciso se colocar diante de Deus muitas vezes sem falar nada, sem pedir nada e até mesmo sem desejar nada. Tal atitude nos torna sensíveis a Deus. Quando atingimos este estágio, O buscamos por aquilo que Ele é e não pelo que Ele faz.

Edson Oliveira

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *