A política não é coisa ruim. São pessoas ruins que a tornam algo ruim.

Penso que estas duas perguntas feitas por Jesus são perfeitas para nosso tempo e sobretudo para o dia de hoje, 22 de junho, onde a Igreja Católica celebra o dia de São Tomás More – o santo padroeiro dos governantes e políticos. Assim pergunta Jesus: “Por que observas o cisco no olho do teu irmão, e não prestas atenção à trave que está no teu próprio olho? Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu mesmo tens uma trave no teu?” Mateus 7, 3-4

De fato, nossa política é contaminada por pessoas que entram nela com más intenções ou pessoas que ao entrarem nela, se deixam seduzir pelo poder e/ou pelo dinheiro. De qualquer forma, a política não é coisa ruim. São pessoas ruins que a tornam algo ruim. A Igreja ao declarar um padroeiro no mundo político, está declarando que ela é boa e que é possível por ela e nela ser santo, fazer o que é certo.

Dizer que a política não presta e que nela não há espaço para pessoas bem intencionadas é algo absurdo, pois equivale a dizer que a medicina não presta, a engenharia não presta, a agricultura não presta e assim por diante. Observe que tudo que envolve o ser humano tem suas mazelas; mas estas são fruto das ações de pessoas que nestas realidades se envolvem.

Mas o que isso tudo tem haver com política, com São Tomás More e com as duas perguntas feitas por Jesus citadas acima? Tem tudo haver, pois quase sempre criticamos a política ou generalizamos os políticos como iguais. Há pessoas que criticam os políticos, reclamam de suas atitudes, mas agem igualmente, quando querem levar vantagem em uma negociação, não devolvem um troco que veio a mais, não votam, julgando que ninguém presta… bom, para estas pessoas, cabem as duas perguntas feitas por Jesus: “Por que observas o cisco no olho do teu irmão, e não prestas atenção à trave que está no teu próprio olho? Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu mesmo tens uma trave no teu?” Mateus 7, 3-4.

Edson Oliveira

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *