Não divida seus sonhos com quem não comunga dos seus ideais.

“Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente, a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo”. Lucas 1, 39-41 

Fiquei a pensar o por que desta pressa de Maria em ir ver Isabel e encontrei resposta em 2 versículos anteriores a este:

1°- Quando o Anjo fez a Maria o anúncio de sua gravidez, ela, ficou perturbada: “Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação”. Lucas 1, 30 – Aquela visita do Anjo, acompanhada de tal notícia não foi algo comum. Um turbilhão de pensamentos e sentimentos invadiram Maria.

2°- “Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, porque a Deus nenhuma coisa é impossível”. Lucas 1, 36-37 – Aqui foi como uma dica do Anjo; é como se ele dissesse, “confirme com Isabel o que Deus fez nela”. E se fez nela, fará em você também.

Sendo assim, sai Maria apressadamente, não por duvidar, mas para confirmar, tocar no poder de Deus e propagá-lo. E não por acaso, aquele encontro é selado com uma linda oração feita por Maria, o Magnificat: “E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo. Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem. Manifestou o poder do seu braço: desconcertou os corações dos soberbos. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes. Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos. Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre”. Lucas 1, 46-55.

A pressa de Maria em ter com Isabel, foi a pressa de quem queria dividir sua alegria, pois sabia que naquele momento, só Isabel era capaz de compreender sua alegria, mas também seus medos, suas inquietações. Aqueles 3 meses que Maria conviveu com Isabel, foram 3 meses de Céu, onde uma confidenciava à outra suas expectativas, compreensões e incompreensões.

Maria foi depressa ter com Isabel, por ser ela capaz de compreendê-la. Outra pessoa a chamaria de louca ou pretensiosa. Uma dica: não divida sonhos, projetos, ideias… com quem não comunga dos seus ideais. Tais pessoas vão zombar de você ainda que ocultamente ou mesmo, tomados de inveja, ainda que inconscientemente, só lhe atrapalhariam.

Edson Oliveira

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *