Você já descobriu o seu talento?

Diante de uma multidão que Lhe ouvia, Jesus questiona: “Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la debaixo de um caixote, ou debaixo da cama?” – Marcos 4, 21a. E continuou Seu discurso, afirmando que “tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto” – Marcos 4, 22.

Tais palavras podem nos arremeter a vários entendimentos; e o que me vem à mente são duas palavras, que no contexto do discurso de Jesus, soam como sinônimos: lâmpada e talento, numa compreensão de que, o talento que recebemos de Deus, precisa brilhar como uma lâmpada. E sendo como tal, não pode ficar “debaixo de um caixote”, nem “debaixo da cama” e, tampouco, oculto.

Nosso talento é nossa lâmpada. Por ele iluminamos nossa vida e a vida de quantos a nós se achegarem. Por nosso talento, pessoas, ambientes e um momento na história (os anos que vivermos), serão iluminados.

Mas ao final das contas, o que é talento? Talento é uma aptidão incomum, que natural ou adquirida, leva alguém a fazer alguma coisa com maestria.

Vamos por partes:

1- Talento é uma aptidão incomum – ou seja, algo que você faz naturalmente e que outra pessoa; e se fizer, não faz como você. É algo que o torna diferente, raro.

2- Talento é algo natural ou adquirido – você já nasceu com aptidão ou foi treinando e adquiriu – sim, talento a gente adquire e aperfeiçoa.

3- O talento nos leva a fazer alguma coisa com maestria – de forma espetacular, brilhante – o talento faz com que extrapolemos nossos limites.

Certamente, temos muitos talentos. E aqui é onde mora o perigo: corremos o risco de viver uma vida inteira “atirando para todos os lados”, como vagalumes com uma luzinha piscando, deixando de ser uma lâmpada.

Como então descobrir seu talento principal, sua lâmpada? Se você pode, financeiramente falando, busque um acompanhamento profissional. Se neste momento você não tem condições, faça uma lista de todos os seus talentos, de coisas nas quais você é bom. Estando com a lista pronta, leia cada talento com calma. Sendo assim, pense qual destes talentos você exerceria sem exigir remuneração. Detectado este talento, permita que pensamentos, desejos e emoções lhe invadam. É o que chamamos de “viajar”. Sim, viaje em seu talento; por fim, reze por ele, comece a aperfeiçoa-lo: pesquise, estude, exercite… desta forma, sua lâmpada – seu talento, iluminará você, pessoas e o tempo em que você viver.

Edson Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *